Ferrez, Zeferino (1797-1851)

Zeferino Ferrez (ou Zéphyrin Ferrez, ou Zepherin Ferrez) nasceu em 31 de julho de 1797, na cidade de Saint Laurent, França e faleceu no Rio de Janeiro, em 22 de julho de 1851.

Foi um medalhista, escultor, gravurista e professor franco-brasileiro, e um integrante tardio da Missão Artística Francesa. 

Ingressou na Escola Nacional de Belas Artes da França em 1810, estudando escultura sob orientação de Philippe-Laurent Roland e gravura com Pierre Nicolas Beauvallet. Em 1816 partiu para o Brasil com Marc Ferrez, seu irmão, e no Brasil juntou-se aos demais franceses que formaram a Missão Artística Francesa.

Participou dos trabalhos de decoração da cidade do Rio de Janeiro, na chegada da futura imperatriz Dona Leopoldina, e realizou outras obras similares para a realeza. Foi o primeiro professor oficial de gravura de medalhas, compôs, além de trabalhos restritos de sua especialidade, baixos-relevos da fachada do antigo Palácio das Belas Artes, riscado por Grandjean, e hoje Ministério da Fazenda. O baixo-relevo alegórico, do tímpano do frontão, a representar Phebo em seu carro luminoso, é de sua lavra, e os dois gênios alados que ladeiam a porta de ingresso. Em um deles o artista esculpiu frutas brasileiras a saírem de uma cornucópia.

Coube a Zeferino Ferrez a prioridade da escultura de nossas frutas, no que quase contemporaneamente o imitaram em uma velha casa que acabam de demolir na Rua d´Alfândega, esquina da Conceição (Vasco da Gama). Muito mais tarde Bethencourt da Silva aproveitou o ornato nas cornucópias decorativas e simbólicas da abundância, no frontispício do edifício da Associação Comercial, na Rua Primeiro de Março, e modernamente Oliveira Passos, na fachada posterior do Teatro Municipal.

Gravou as medalhas comemorativas da aclamação de D. João VI, a da coroação de D. Pedro I, a rara Peça da Coroação, e a do matrimônio entre D. Pedro II e Dona Teresa Cristina.

Em 1826 realizou, com seu irmão Marc, uma série de baixos-relevos para a fachada do edifício da Academia Imperial, projetado por Grandjean de Montigny. Nas décadas seguintes assumiu a cátedra de gravura de medalhas na AIBA, foi condecorado com a Ordem da Rosa no grau de Cavaleiro, e participou das exposições gerais da Academia. Foi o pai do fotógrafo Marc Ferrez.

A obra

- A peça da coroação, 1822. conheça a moeda.

fontes: Wikipédia - www.wikipedia.com
Itaú Cultural - www.itaucultural.org.br

----------------------------------------------------------------------------------------------------
Moedas Brasileiras / Moedas do Brasil / Moedas Nacionais / MoedasDoBrasil Copyright © 2011-2017 Netfenix
Reportar erros. Clique aqui! 20120525-1

Um completo e interessante compêndio das moedas brasileiras de todas as épocas.

Encontre em nosso catálogo a moeda que você está procurando:
ano/era
valor facial
material

No século 19, usava-se uma escala impressa em papel para medir moedas...

- A Escala de Mionnet
- A História do Cifrão
- Reformas Monetárias
- Cara ou Coroa?


A história da moeda no Brasil contada pelo Banco do Brasil, a história do dinheiro no Brasil contada pelo Banco Central do Brasil e a história das moedas brasileiras contadas por nós.

- Níveis de conservação
- Conservação das moedas
- Coroa Alta e Coroa Baixa
- Graus de Raridade
- Siglas de Gravadores
- Anversos e Reversos
- Ensaios e Provas
- Eixos e Reversos
- Legendas e Inscrições
- Materiais e Metais
- Moedas de Cobre
- Descobrimento do Brasil
- Colonização do Brasil
- D. Pedro II do Brasil
- e ainda mais...