Como conservar suas moedas

A quase totalidade das moedas é constituída de metais.

O que mais interfere na conservação dos metais é a corrosão, um processo acelerado de oxidação, causado pela presença de oxigênio, de cloretos ou de dióxido de enxofre no ar. Esse processo é intensificado pela umidade e por poeira (impurezas que se depositam sobre os metais). Se deixarmos que o pó depositado sobre a superfície de uma moeda permaneça sobre ela durante muito tempo, ele poderá formar células galvânicas muito pequenas que estimularão a corrosão. Os metais devem por isso ser mantidos limpos e secos.

Por outro lado, se dois metais diferentes permanecem em contato prolongado e um eletrólito se forma pela ação de umidade de sais minerais ou de impurezas, uma corrente elétrica circulará, e o metal menos nobre será corroído, enquanto o mais nobre será preservado, mas poderá ficar coberto pelos resíduos da corrosão do outro metal. Portanto, deve-se evitar guardar lado a lado moedas de metais diferentes.

Alguns pontos se tornam claros:

  • que as moedas devem ser limpas antes de serem guardadas;
  • que se deve evitar a guarda de moedas de metais diferentes em contato direto;
  • que se deve evitar, o máximo possível, a exposição prolongada de moedas à umidade e ao ar.

Acondicionamento

O Brasil é em grande parte um país de clima tropical, com oscilações bruscas de temperatura e umidade relativa do ar. Por outro lado, as maiores coleções de moedas se concentram em grandes áreas urbanas, cuja atmosfera é permanentemente carregada de gases e impurezas.


Medalheiro (ou gaveteiro)

A climatização de áreas destinadas ao armazenamento de coleções de moedas poderia ser um recurso adequado à sua conservação mas, somente se fosse permanente (24h/dia, todos os dias). A interrupção da climatização por períodos causaria o mesmo efeito das mudanças naturais de temperatura e umidade atmosféricas. E uma climatização permanente seria inviável devido ao alto custo de sua manutenção. Portanto, outras formas de conservação de acervo de moedas continuam a ser buscadas, e se chega a algumas conclusões.

Observamos que os medalheiros ingleses, com sua estrutura de compartimentos estanques para cada uma das gavetas e de pequenas hastes móveis, formando escaninhos isolados para cada moeda, proporcionam ao acervo neles armazenado muito boas condições para conservação das peças.

O medalheiro (ou gaveteiro) é uma boa opção para quem gosta de estar sempre “tocando” nas moedas. A base das gavetas poderá ser de madeira revestida com feltro, veludo ou tecido similar. Existem gaveteiros em acrílico ou plástico e bandejas avulsas de excelente qualidade que, além de proteger, valorizam a apresentação da coleção.

No entanto, existem diversas outras formas, inclusive mais econômicas, de se acondicionar moedas. Pode-se optar por envelopes de papel que, além de proteger de riscos, os mesmos dispõem de espaço no anverso, reverso e aba superior para classificação da peça inserida e que poderão ser acondicionados em caixas de madeira ou plástico, específicas para as dimensões dos envelopes.


E
nvelopes individuais para moedas

Existem, ainda, embalagens exclusivas em acrílico transparente, nas mesmas dimensões dos envelopes convencionais, com a parte interna específica para vários tamanhos de moedas. Além do acrílico, outro tipo de embalagem utilizado é o cartão rígido e “vazado” - holder ou alvéolo - em diversas dimensões, por onde a moeda pode ser observada, protegida por uma fina película de acetato.


Álbum de moedas com folhas plásticas

O álbum com folhas plásticas é também mais uma opção econômica, pois permite acondicionar um número maior de moedas em pouco espaço. Conforme o modelo, cada folha plástica permite acondicionar mais de 20 moedas. Porém, muito cuidado na aquisição de álbuns, os quais deverão possuir uma estrutura rígida, capa dura e folhas de boa qualidade (se possível de acetato). Certifique-se que o plástico utilizado não “transpire” e nem enrugue com o tempo, pois influenciarão de forma negativa na conservação das moedas.

 

Processo de limpeza mecânica

Afora as controvérsias sobre se deve ou não limpar moedas, uma vez decidida pela limpeza, ela  deverá ser feita com muito cuidado e prática, para não correr o risco de danificar as peças. Sugere-se treinar com moedas pouco representativas ou já danificadas até atingir confiança suficiente para partir para as moedas de valor. 

- A limpeza da moeda é feita através de fricção da peça em flanela de algodão com uma pequena quantidade (uma pitada) de carbonato de cálcio – um produto neutro, em pó, com uma granulação muito fina para não arranhar a peça (aproximadamente a mesma granulação do talco de toalete). O carbonato de cálcio pode ser usado em qualquer metal.

- A lavagem da moeda em água corrente, com detergente neutro e escova de cerdas naturais, tendo-se o cuidado de enxaguar bem a moeda.

- A secagem em flanela de algodão, seguida da imersão da peça em acetona pura (que deve ser trocada periodicamente). A retirada da moeda do recipiente com acetona pode ser feita com pinça de bambu com ponteiras de borracha, do tipo usado para a revelação de negativos de fotografias.

A acetona pura, muito volátil, promove uma secagem mais rápida e completa da peça. Colocando-se a moeda sobre o tecido de algodão, pode-se também usar um secador de cabelos para assegurar o processo de secagem.

- Depois da moeda bem seca, procede-se ao seu enceramento com cera microcristalina. A cera microcristalina, que é comercializada em blocos, é diluída em nafta ou em querosene desodorizado até tornar-se pastosa, e deve ser aplicada com pincel flexível, como os de desenho, feitos com pelos de marta. Aplica-se em primeiro lugar a cera no reverso, deixando que seque. Depois no anverso, e por último no bordo.

Quando a cera microcristalina seca, o aspecto da moeda é um tanto opaco. A fricção em tecido de algodão (a flanela pode deixar felpas nessa etapa) retira o excesso de cera e devolve à moeda uma aparência polida.

O enceramento com cera microcristalina veda os "poros" do metal, protegendo a moeda através de uma película inerte e inócua. O enceramento tem sido usado em lugar do envernizamento, hoje desaconselhado.

- O envelopamento das peças tem sido feito em envelopes comuns para moedas, mas podem ser usados o papel cristal, mais transparente, ou, preferencialmente, papéis de Ph neutro (6-6 ½), desacidificados.

- As moedas guardadas em envelopes devem sofrer um controle periódico, porque os envelopes, mesmo aqueles feitos com papel desacidificado, tendem a se acidificar com o tempo, devendo então ser substituídos. O papel acidificado pode ser visualmente reconhecido por manchas amareladas em sua superfície.

Cuidados adicionais

- Limpar sempre uma moeda manuseada antes de guardá-la. Os ácidos graxos das mãos, que contém ácido úrico, um meio ideal para proliferação de fungos, se recompõem rapidamente mesmo após a lavagem com sabão. Além disso, as peças manuseadas e guardadas sem limpeza prévia podem ficar marcadas por impressões digitais, que só são removidas com certa dificuldade.

- Utilizar uma flanela para essa limpeza rápida. Em museus e coleções maiores é aconselhado o uso de luvas de algodão para o manuseio de moedas e medalhas.

- Evitar o contato de moedas com quaisquer instrumentos ou ferramentas metálicas, que poderão produzir nelas arranhões indeléveis.

- Proteger as peças quando houver necessidade de transportá-las.

Quanto à limpeza

- Durante todo o processo de limpeza, as peças devem ser protegidas do contato direto com as mãos através do uso de luvas de plástico ou de borracha.

- A pátina esverdeada sobre as moedas antigas de cobre e de bronze é inerte, proporciona à peça uma cobertura protetora e atraente e não deve ser removida.

- Nenhuma cobertura de superfície em uso corrente é completamente eficaz em impedir o ataque por agentes corrosivos ou pela umidade da atmosfera. Seu emprego deve ser associado às melhores condições possíveis de armazenamento ou exposição.

Outras dicas de limpeza

MOEDAS DE PRATA

  • Coloque uma colher de amônia em um copo de água.
  • Deixe de molho durante 30 minutos.
  • Lave bem com sabão e água usando escova de nylon.
  • Enxugue antes de guardá-las.

MOEDAS DE NÍQUEL OU CUPRONÍQUEL

  • Coloque o caldo de um limão em um copo de água.
  • Deixe de molho durante uns 30 minutos.
  • Lave com sabão e água, usando escova de latão.
  • Enxugue bem antes de guardá-las.

MOEDAS DE BRONZE ALUMÍNIO, AÇO E ALUMÍNIO

  • Coloque o caldo de um limão em um copo de água.
  • Deixe de molho durante uns 30 minutos.
  • Lave bem com sabão e água, usando escova de latão.
  • Enxugue antes de guardá-las.
  • Atenção: não misture moedas de material diferente na hora da limpeza.

MOEDAS DE COBRE E BRONZE

  • Use uma colher das de sopa com vinagre em um copo de água.
  • Deixe de molho por 20 minutos.
  • Lave bem com sabão e água, usando escova de latão.
  • Enxugue antes de guardá-las.

 

Fontes: "As Moedas do Brasil", Eugenio Caffarelli
"Dicas para Conservação de sua Coleção", AngeliniCoins.com
Numismática Vieira, www.numismaticavieira.com.br

veja, também, níveis de conservação das moedas.

----------------------------------------------------------------------------------------------------
Moedas Brasileiras / Moedas do Brasil / Moedas Nacionais / MoedasDoBrasil Copyright © 2011-2017 Netfenix
Reportar erros. Clique aqui! 20150719-9

Um completo e interessante compêndio das moedas brasileiras de todas as épocas.

Encontre em nosso catálogo a moeda que você está procurando:
ano/era
valor facial
material

No século 19, usava-se uma escala impressa em papel para medir moedas...

- A Escala de Mionnet
- A História do Cifrão
- Reformas Monetárias
- Cara ou Coroa?


A história da moeda no Brasil contada pelo Banco do Brasil, a história do dinheiro no Brasil contada pelo Banco Central do Brasil e a história das moedas brasileiras contadas por nós.

- Níveis de conservação
- Conservação das moedas
- Coroa Alta e Coroa Baixa
- Graus de Raridade
- Siglas de Gravadores
- Anversos e Reversos
- Ensaios e Provas
- Eixos e Reversos
- Legendas e Inscrições
- Materiais e Metais
- Moedas de Cobre
- Descobrimento do Brasil
- Colonização do Brasil
- D. Pedro II do Brasil
- e ainda mais...